domingo, 29 de agosto de 2010

DOMINGO "BOU" À BOLA

Acabei de descobrir um artigo que publiquei a 15 de Fevereiro de 2004 num blog que tinha na altura: "A Besta Humana".

Como a realidade não se alterou, bem pelo contrário, este artigo continua actual, por isso deixo-o aqui para reavivar a memória.

Como é habitual nos dias em que o Porto vai fora fazer jogos importantes, juntamos um grupo de amigos e vamos ver o jogo a casa de um de nós. É uma daquelas reuniões de alienação, ou talvez melhor, de terapia de grupo. Embora a maioria seja portista (grupo no qual me incluo), também há benfiquistas, sportinguistas, boavisteiros e até vimaranenses e ainda aqueles que se estão a marimbar para o futebol e para qualquer clube (estes normalmente quando o jogo termina nem costumam saber o resultado).

Duas ou três horas antes do jogo começamos a chegar, cada qual com a sua multa. Uns chouricitos, um naco de presunto, uns franguitos (isto nos jogos de futebol dá sempre jeito), uns camarõezitos, umas cervejolas, uns whiskizitos, uns sumitos (pois é verdade, também há aqueles que por opção não bebem álcool) e mais aquilo que a imaginação de cada um ditar.

Estamos todos reunidos. Começam os primeiros disparates, as primeiras previsões, os primeiros comentários à semana futebolesa. Tudo no mais puro e vernáculo futebolês.

Começa o jogo. Sentamo-nos todos (ou quase) em frente do ecrã, primeiro em silêncio, mas logo surgem as primeiras provocações. Culpamos os dirigentes, os treinadores, os árbitros, os jogadores, os comentadores, o estádio, o relvado e até, em ocasiões especiais, a bola. Entretanto os que não ligam ao futebol sentam-se de maneira que lhes permita admirar as nossas reacções.

O hooliganismo aumenta praticamente na mesma proporção em que aumenta a idade de cada um. Há sempre um ou dois que deambula pela casa com uma garrafa de cerveja numa mão e uma coxa de frango na outra e que, de vez em quando, regressa à sala para provocar aqueles que no momento estão mais preocupados com o desenrolar dos acontecimentos.

Chega o intervalo para retemperar forças e logo voltar ao jogo.

Repetem-se as cenas da primeira parte. Aqueles para quem o desenrolar do jogo é perfeitamente indiferente tentam arranjar maneira de chamar a atenção dos outros, mas acabam por desistir e lá bebem mais uma cervejola.

O jogo acaba. Estamos todos exaustos, como se tivéssemos jogado. Faz-se o comentário do jogo e criticam-se as decisões tomadas ou as atitudes deste ou daquele.

Atacamos na mesa e, de repente acordamos do jogo e voltamos à realidade. Já ninguém quer saber do jogo. O jogo já passou. Voltamos à vida real. Aos impostos que temos de pagar, aos aumentos que muitos de nós já não recebem pelo segundo ano, à degradação das condições de trabalho, à prestação da casa que é preciso pagar, às férias que não vamos poder fazer, à prepotência do Governo, à situação internacional preocupante, etc.

O jogo, seja qual for o resultado, foi apenas um jogo, que nos ajudou a esquecer momentaneamente as nossas frustrações e preocupações, mas que rapidamente retomam o seu verdadeiro lugar na vida real. O futebol, apesar de muitos tentarem, já não é somente alienação, mas pode (e deve) ser um momento de sublimação que nos transporta para a realidade tão depressa como nos transportou para fora dela.

Está na hora de cada um regressar a casa. Independentemente do resultado do jogo e das cores clubísticas, cimentamos ainda mais a nossa amizade e cumplicidade. O jogo foi simplesmente um jogo, nada mais, e amanhã aí estaremos todos do mesmo lado da barricada a enfrentar a dura realidade da vida.
Enviar um comentário