terça-feira, 16 de agosto de 2011

O "Buraco" da Madeira


A Madeira tem um buraco, mas Portugal é que se afunda.

Notícias recentes revelam que a Madeira tem um buraco orçamental de cerca de 280 milhões de euros, graças a endividamentos acima dos limites estabelecidos.

Esses limites foram estabelecidos por uma lei da República aprovada na Assembleia da República, no entanto o Presidente daquela região autónoma continua impune e acima da lei. Para tal refugia-se na insularidade e de forma truculenta e demagógica arrasta os cidadãos da Madeira para esta assimetria, perpetuando-se no poder à custa de benesses e um olhar para o lado por parte do Governo Central, de todos os Governos , não apenas deste último, porque a cobardia, em relação ao Governo da Madeira, tem sido apanágio de todos os Governos e inclusivamente dos Presidentes da República Portuguesa, incluindo o actual a quem Alberto João Jardim designou de Sr. Silva.

A insularidade é um facto, por isso compreende-se a concessão de certos benefícios, quer à Madeira, quer aos Açores, mas esses benefícios não justificam a falta de contributos para para o orçamento Nacional, sobretudo em período de grave crise económica como a que atravessamos hoje em dia.

Os impostos ficam nas regiões autónomas, cujos cidadãos pagam menos que os restantes, e ainda recebem avultadas transferências do Orçamento de estado muito superior às do resto do País.

Sim, a insularidade e as assimetrias são um facto, mas a falta de solidariedade Nacional também. Há outras regiões do País que padecem de um problema semelhante, a interioridade, mas nem por isso recebem qualquer compensação semelhante à que recebem as Regiões Autónomas.


Se existem assimetrias entre Continente e Regiões Autónomas, também existem entre Interior e Litoral, ou mesmo entre Norte e Sul, para já não falar na permanente macrocefalia da Capital.

Sem intenção de ser exaustivo lembro por exemplo a portagem nas ex-SCUT. Só o Litoral Norte paga portagens, o que tem contribuído para o definhar da economia local, a qual, por sua vez, se reflecte na recuperação económica do resto do País.

Voltando à Madeira, motivo central deste artigo, o seu Presidente comporta-se como um autêntico soba, chantageando os Madeirenses e os Portugueses. Quando a Madeira era, de facto, ostracizada e considerada uma coutada, isto é, antes do 25 de Abril, o que fez o truculento Jardim pela sua bela região? Nada, porque fazia parte da elite que apoiava o antigo regime. Aqueles que de facto lutavam pela autonomia foram ultrapassados pela demagogia.

O Sr. Jardim não é Madeirense, nem Português, é um oportunista. Durante o PREC andou conluiado com a FLAMA, defendia a independência da Madeira. Porquê? De onde lhe vinham os apoios económicos? Dos Estados Unidos.

Quer o nazismo alemão, quer o fascismo italiano chegaram ao poder por meios legais e democráticos, porque a democracia olhava para o lado. Na Madeira de Jardim a democracia também olha para o lado, mas para quê desmantelar a farsa de democracia se esta, ou melhor, os dirigentes nacionais, vivem com medo de afrontar o senhor da Madeira? Para quê mudar o regime de faz de conta, se este beneficia o seu chefe?

O Sr. Jardim que reivindique a independência, que exija um referendo. Eu cá por mim voto SIM.
Enviar um comentário