quinta-feira, 19 de março de 2015

A gestão Feudo-vassálica das nossas Escolas

vassalagemTirando honrosas excepções a gestão das nossas escolas é do tipo feudo-vassálica.

No topo da hierarquia, o suserano dos suseranos, está o PM, isto é, o Coelho, ao qual todos devem obdiência e a quem todos prestam vassalagem.

Aos bem comportados o PM distribuirá um feudo. Um dos seus mais fieis vassalos, cRato, recebeu o feuda da educação, o qual se encarregará de distruibuir as suas benesses pela sua fiel nobreza de toga, isto é, uma escola para este, um agrupamento para aquele.

O feudo é gerido pelo suserano/vassalo, o director. No entanto este suserano delega algumas competências de carácter prático nos seu vassalos directos: equipa da direcção, conselho geral e chefias intermédias.

No terceiro nível temos a nobreza e o clero, os professores do quadro, grupo diversificado e com interesses muitas vezes díspares, mas que se vão acomodando ao sistema, senão o sistema pode deixar de funcionar e, assim, estes vassalos arriscam-se a perder algumas das suas regalias.

Claro que nem todos os professores, vassalos de terceiro nível, pertencem à classe dominante e privilegiada, nobreza ou clero, muitos deles, cada vez mais, sujeitos a contratos mais ou menos absurdos ao longo de vários anos, são meros burgueses e até, em muitos casos, simples plebeus.

Desta forma, o feudo, a escola, vai funcionando, discute-se o sexo dos anjos, perdem-se horas a construir o formulário de um qualquer documento relativo à melhoria do aproveitamento dos alunos, enquanto estes correm nos pátios do castelo, ou mosteiro, em chinfrineira carnavalesca, porque os resultados, esses lá acabarão por aparecer.

Alguns, talvez mais irrequietos, ou provavelmente mais inconsequentes, já entraram em período renascentista, mas as suas críticas, o espírito crítico, é de imediato entendido pelos restantes vassalos como maldicência, que anima a escola, o feudo, e até dá algum colorido.

No fim, felizes, todos dormem sossegados com a consciência do dever cumprido e, no próximo ano, o Sol continuará a brilhar sobre os seus magníficos feudos, pelo menos nos dias em que não chova.
Enviar um comentário