sexta-feira, 4 de julho de 2008

S. João do Porto e Bugiadas de Sobrado

A festa de S. João, como sabem, tem longas tradições no Porto.

O S. João, ou melhor o Solstício de Verão, começou por ser uma festa pagã. Celebrava-se então a fertilidade e a fecundidade. Com o advento do cristianismo, e seguindo o princípio de que se não os consegues vencer junta-te a eles, foi associado à festa um santo. Aos poucos, a festa foi perdendo o seu cariz libertário e foi-se transformando numa festa religiosa. Da junção entre paganismo e cristianismo surgiu uma amálgama, um "caldo" que assume, de forma sincrética, os dois conceitos.

A partir de meados do século XX, o S. João do Porto assume também um carácter político. Vivia-se em regime de ditadura e, consciente ou inconscientemente, era a única forma do povo descer à rua sem ser perseguido pela polícia. Era também uma festividade democrática, pois não havia distinções classes sociais e cada um dava asas às suas ansiedades.

No pós 25 de Abril, o S. João foi-se descaracterizando, pois muito do que movia as pessoas a descer às ruas foi perdendo importância. Agora o povo já podia manifestar-se livremente.

Hoje não existe um S. João, mas muitos.

As ruas continuam a ser ocupadas, mas de uma forma diferente. Hoje é a festa do plástico, de uma liberdade que já existe, de um "santo pagão" ou de um "pagão beatificado", do negócio, dos políticos e dos seus aproveitamentos.

Por isso, eu prefiro passar este dia na companhia dos meus amigos e dar a esta festa um carácter laico e libertário, aquele que para mim sempre teve esta festa.

Vejam lá se gostam.

-----------------------------------------------------

As primeiras honras são para o anfitrião.
S. João 2008

A alcateia começa a reunir. Mmmmm, apetitosa esta mesa.
S. João 2008
S. João 2008

Barriguinha cheia, é hora de iniciar a brincadeira.
S. João 2008
S. João 2008
S. João 2008
Photobucket
S. João 2008
S. João 2008
S. João 2008

Ouvem-se os primeiros uivos.
S. João 2008

Nesta alcateia há muitas lobas e lobos, mas nenhum é dominante.
S. João 2008
S. João 2008
S. João 2008
S. João 2008
S. João 2008

Faltou a fogueira, mas o balão não foi esquecido.
S. João 2008
S. João 2008
S. João 2008
S. João 2008
S. João 2008
S. João 2008

Ó patego, olha o balão.
S. João 2008

O balão já vai alto no céu, mas aqui na terra as coisas começam também a subir.
S. João 2008
S. João 2008

O anfitrião resolve fazer um discurso.
S. João 2008

Está na hora da nossa princesa nos deixar.
S. João 2008

E agora? O que é que vamos fazer?
S. João 2008

Talvez... dançar?...
S. João 2008
S. João 2008
S. João 2008
S. João 2008
S. Joao 2008

A minha lobinha pequenina vem desafiar-me.
S. João 2008

Às vezes é necessário meter na ordem um lobito mais irrequieto.
S. João 2008

Retemperar forças.
S. João 2008

Para que a noite acabe num abraço.
S. João 2008
S. João 2008

-----------------------------------------------------

A poucos quilómetros do Porto, mais concretamente em Sobrado (Valongo), o S. João tem outras cores e outra história. São as Bugiadas.

Em Sobrado, todos os anos, no dia 24 de Junho, realizam-se as Bugiadas. A história é fácil de contar. No tempo em que a Ibéria era dominada pelos mouros (Mourisqueiros) os cristão (Bugios) tentavam recuperar a terra perdida. Na batalha final os Bugios derrotam os Mourisqueiros graças à ajuda preciosa da serpente Cucamacuca.

S. João 2008
S. João 2008
S. João 2008
S. João 2008
S. João 2008

Claro que sentados a uma mesa a beber umas "bjecas" e a "morfar" umas farturas não se está nada mal.
S. João 2008
S. João 2008

Este ano, numa das inevitáveis rotundas de Sobrado, foi inaugurada, com pompa e circunstância, uma polémica e ridícula estátua que pretenderia homenagear e perpetuar as bugiadas para a posteridade. Bem, esta estátua mais parece a da aparição da virgem aos três pastorinhos, mas todos mascarados de bugios ou mourisqueiros. Meus amigos, para perpetuar as Bugiadas, basta que não deixem morrer a tradição, deixem-se de estatuetas!
S. João 2008
Enviar um comentário