terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Casamento Homossexual



Antes de mais quero afirmar que sou heterossexual, mas não tenho qualquer tipo de preconceito contra ou a favor dos homossexuais.

A diferença que existe entre um homossexual e um heterossexual é a mesma que existe entre uma pessoa que escreve com a mão esquerda ou com a direita, que gosta mais de carne ou mais de peixe, etc.

Está para aprovação na Assembleia da República Portuguesa uma lei que permite o casamento entre homossexuais. Entretanto criou-se um movimento que pretende um referendo sobre este tema e recolheu uma petição com cerca de 90.000 assinaturas, isto é, acima dos 75.000 exigidos por lei.

Cada cidadão está no seu direito de pedir seja o que for, mas não tem o direito de proibir os que são diferentes, não são melhores ou piores, são diferentes, de optarem pelo caminho que muito bem entendem.

O casamento homossexual, como muitos outros assuntos, não é uma questão de justiça ou de lei, é uma questão de ética e tolerância. A homossexualidade não é crime, não é pecado! A homossexualidade existe e tem de ser respeitada.

Nenhum cidadão tem o direito de negar a outro cidadão os seus direitos só porque é diferente da maioria. Diferente não significa superior ou inferior, significa simplesmente diferente.

Nenhum cidadão tem o direito de negar a outro a sua felicidade, de escolher o seu caminho.

As religiões que cuidem do seu rebanho, mas não têm o direito de impor aos outros uma moralidade que só pode ser exigida aos seus.

Sou a favor do casamento homossexual por completo, incluindo o direito a ter filhos, seja por adopção, seja por inseminação artificial.

Os medos, sempre os medos das mentalidades retrógradas, conservadoras e castradoras. Porque é que filhos de homossexuais deverão ser obrigatoriamente homossexuais? E se forem? Qual é o problema?

O que eu sei é que muitas filhas e filhos de casais heterossexuais são homossexuais.

Pensava que a sanha persecutória contra os que são diferentes ou que pensam de maneira diferente, que a caça às bruxas, a inquisição e os fogos crematórios nazis, já tinham acabado.

Melhor fora que usassem as suas energias para denunciar os políticos corruptos e os corruptos em geral, mas não, que esses são senhores doutores, pessoas muito importantes, digo, porque os cobardes temem sempre aquele que acham mais forte até ao ponto de os bajularem e votarem neles, por isso são cobardes.

O direito ao amor é uma máxima universal, ninguém pode ousar por isso em causa, e ai daqueles que nunca souberam amar.

O amor não se cala, vive-se!
Enviar um comentário