segunda-feira, 16 de junho de 2008

Uma Noite de Lufatu

Lufatu

O Sol vai descendo no horizonte, lânguido anunciando a noite que se aproxima. Deixa-se cair docemente até se afogar no Mar que o acolhe num imenso abraço. Aconchegando-o, leva-o para a Terra dos Sonhos.

Photobucket

O Sol deixa-se encantar pelos braços do Mar. Esquece que durante o dia, apesar de quente, foi frio e calculista: obrigou todos na Terra a correr de um lado para o outro, atarefados, perdidos, esfomeados, sedentos, hipócritas, vingativos, grotescos, animalescos.

O Sol naqueles breves instantes esquece o frenesim a que os obrigou, retirando-lhes a Humanidade, durante o dia.

Predadores e prisioneiros de si próprios, pensam serem únicos e absolutos, dominadores alguns. Estes sentem-se o centro do Mundo, os donos da vida e os criadores da morte; enquanto aqueles, a maioria, sente-se esmagada e oprimida, mas dominada e manipulada, perdeu a consciência, não reage. Nestes breves instantes o Sol implora, em vão, que a Noite lhe devolva um pouco de Humanidade. Sim, Humanidade, não a fabricou para os Homens, mas aquela que trás Paz, Amor, Tolerância...

Enquanto o Sol se afoga atormentado pelas suas reflexões, os primeiros raios de prata surgem no seu oposto. Sorridente espreita a Lua, pronta a partilhar a sua alegria e a mostrar que a vida tem outro lado, o da Harmonia, da Partilha e do Amor, muito diferente daquilo que o Sol, no seu esplendor ofuscante, hipnotizando-os, fez os Homens acreditar, que era a força que os esmagava, que os oprimia e recalcava, que devia ser seguida, no rumo dos obedientes, dos que aceitam as respostas que lhes dão porque custa muito levantar novas questões.

A Lua, provocadora, lança os seus raios de prata, que mostram só parte do caminho e obriga os Homens a ver em vez de olhar, a procurar em vez de aceitar.

Lufatu

No seio da Noite um grupo de amigos estava já à espera da Lua. Recusavam-se a aceitar a ditadura do Sol para viver a democracia da Lua.

Lufatu

Lufatu

As grades do Dia estão prestes a ceder. A Bruma ajuda à libertação.

Lufatu

Lufatu

Combinam-se estratégias...

Lufatu

Lufatu

Rompem as amarras, não sem luta, mas a Liberdade e o Amor estão já do outro lado.

Lufatu

Lufatu

Celebram a vitória. Agora sim, sentiam-se muito mais Humanos.

Lufatu

Lufatu

Lufatu

Lufatu

Lufatu

Correm para abraçar a sensação de serem livres e de viver.

Lufatu

Gozam os primeiros momentos da sensação de Amor e Liberdade. Brincam, riem... Sentem-se verdadeiramente Humanos.

Lufatu

Lufatu

Quando alguém perde ou se perde todos o ajudam a ganhar ou a encontra-se.

Lufatu

Lufatu

Satisfeitos, por partilharem a Amizade e o Amor que os une, saltam, brincam, olham-se nos olhos e sentem o prazer da Partilha.

Lufatu

Lufatu

Lufatu

Lufatu

Lufatu

Exaustos, mas felizes por terem ganho forças para sobreviver, mais uma vez, à mesquinhez do dia.

Lufatu

Lufatu

Há que regressar! O Sol começa a ameaçar, mas sentem-se agora mais fortes para enfrentar o Dia. Brindam!

Lufatu

Lufatu

Surgem as primeiras setas do Dia e o Sol regressa com a inevitabilidade da sua angústia. Mas em breve, narcísico, ofuscado com o seu esplendor, irá de novo exercer a sua força opressora da qual só voltará a arrepender-se no ocaso, para de novo regressar esmagador. Reflecte, mas não muda, porque a sua força, beleza e narcisismo impelem-no a ser dominador e intolerante. Mas agora, mais fortes, os Homens sabem que nada têm a temer, pois estão sempre a tempo de virar o rumo aos acontecimentos.

Lufatu

A Verdade venceu a Mentira!
Enviar um comentário