domingo, 28 de setembro de 2008

Magalhães ou Megafraude

De um amigo meu recebi um mais, cujo conteúdo já deve andar a circular pela net e que aqui também transcrevo para juntar a minha voz àqueles que já denunciaram a fraude do primeiro computador portátil português. Obrigado Pedro.

Eis o texto. Divulguem!

Nosso mesmo, até prova em contrário, é o COZIDO À PORTUGUESA!

Magalhães - mais um escandaloso golpe de propaganda

Os noticiários abriram há dias, com pompa e circunstância, anunciando o lançamento do "primeiro computador portátil português", o "Magalhães".

A RTP refere que é "um projecto português produzido em Portugal".

A SIC refere que "um produto desenvolvido por empresas nacionais e pela Intel" e que a "concepção é portuguesa e foi desenvolvida no âmbito do Plano Tecnológico."

Na realidade, só com muito boa vontade é que o que foi dito e escrito é verdadeiro. O projecto não teve origem em Portugal, já existe desde 2006 e é da responsabilidade da Intel. Chama-se Classmate PC destinado ao terceiro mundo e já é vendido há muito tempo através da Amazon.

As notícias foram cuidadosamente feitas de forma a dar ideia que o "Magalhães" é algo de completamente novo e com origem em Portugal. Não é verdade. Felizmente, existem alguns blogues atentos

Na imprensa escrita salvou-se, que se tenha dado conta, a notícia do Portugal Diário o nome, o logótipo e a capa exterior, tudo o resto é idêntico ao produto que a Intel tem estado a vender em várias partes do mundo desde 2006. Aliás, esta é já a segunda versão do produto.

Pelos vistos,
o jornalista Filipe Caetano foi o único a fazer um trabalhinho de investigação em vez de reproduzir o comunicado de imprensa do Governo. A ideia é destruir os esforços de Negroponte para o OLPC. O criador do MIT Media Lab criou esta inovação, o portátil de 100 dólares...

A Intel foi um dos parceiros até ver o seu concorrente AMD ser escolhido como fornecedor. Saiu do consórcio e criou o Classmate, que está a tentar impor aos países em desenvolvimento.

Sócrates acaba de aliar-se, SEM CONCURSO, à Intel, para destruir o projecto de Negroponte. A JP Sá Couto, que já fazia os Tsumanis, tem assim, SEM CONCURSO, todo o mercado nacional do primeiro ciclo.

Tudo se justifica em nome de um número de propaganda política terceiro-mundista.
Para os pivots (ex-jornalistas?) Rodrigues dos Santos ou José Alberto Carvalho, o importante é debitar chavões propagandísticos em vez de fazer perguntas.

Se não fosse a blogosfera - que o ministro Santos Silva ainda não controla - esta propaganda não seria desmascarada. Os jornalistas da imprensa tradicional têm vindo a revelar-se de uma ignorância, seguidismo e preguiça atroz.



Informem o povo!!

À posteriori recebi um mail onde era noticiado que a empresa que produz o Magalhães vai a tribunal.
Enviar um comentário