terça-feira, 29 de maio de 2007

As Pontes de Madison County

Com a devida vénia ao blog "Luar de Janeiro" e à sua autora, transcrevo para aqui o comentário que, na devida altura, fez ao filme "As Pontes de Madison County".




Aqui fica o artigo publicado no blog

LUAR DE JANEIRO:


Quando, em 30 de Outubro de 1995, vi pela primeira vez o filme "As Pontes de Madison County", escrevi uma curta reflexão, que vou transcrever tal como me saiu, há quase 12 anos atrás.

Tendo como protagonistas principais Clint Eastwood e Meryl Streep, o filme conta a história dum amor impossível, entre um fotógrafo da "National Geographic" e uma dona-de-casa rural do Iowa. É uma visão lúcida do amor. Um grande amor impossível e eterno. Impossível, porque não se pode abandonar marido e filhos, de repente, provocando sofrimento e dor a alguém que nos ama; porque não se pode ser feliz sobre a destruição e a mágoa dos outros, tendo como alicerces sentimentos de culpa e a condenação da nossa própria consciência. Eterno, precisamente por ser impossível. O quotidiano é o pior inimigo do amor. Vai corroendo, lenta mas inexoravelmente, o que, de início, nos parecia indestrutível.

Um filme lindo, duma lucidez tremenda; um tanto amargo mas..., quem sabe?, talvez mostrando o caminho para colocar o amor no seu verdadeiro lugar: o reino da utopia. O amor é uma nesga de sublime, de perfeição e de infinito que conseguimos vislumbrar. Só que a nossa pequenez, a nossa mediocridade, nos impede de alcançá-lo. Ainda mal lhe tocámos e já o conspurcámos e já o destruímos. Somos demasiado fracos e imperfeitos para aguentar a grandeza desse sentimento tão forte e generoso. Parece que temos de matá-lo, rapidamente, para regressarmos ao equilíbrio da nossa mediania.
Enviar um comentário