quinta-feira, 31 de maio de 2007

Pas de Deux

às vezes o nosso amor adora morrer
p´ra voltar e voltar a correr
às vezes o nosso amor evapora, ora
parece que o ar do lar o devora
às vezes o nosso amor tropeça só
para que o chão lhe peça – “levanta-te depressa”

às vezes o nosso amor adora sangrar
p´ra esvair e voltar a estancar
às vezes o nosso amor adora lamber
a cicatriz que insiste em conceber
às vezes o nosso amor desflora só
para que o céu lhe peça – “Benze-te depressa”

às vezes o nosso amor acalora
para que a água estale a pele a ferver
às vezes o nosso amor decora, ora
parece que o ar do lar o estupora
às vezes o nosso amor descola só
para que peça a peça se junte numa peça

o nosso amor adora suster
o ar que inspira e sorve só p’ra verter
às vezes o nosso amor demora a crescer
parece que tem medo de não caber, de não caber...

Clã
Enviar um comentário